David Allen, autor do método GTD (Getting Things Done), afirma em seu livro “A Arte de Fazer Acontecer” que não definimos prioridades – nós temos prioridades. Eu interpreto essa frase da seguinte forma: se eu penso no meu dia ou na minha semana, como ela está no momento, eu já sei quais são as minhas prioridades. Se passo a maior parte do meu tempo acordada trabalhando, minha carreira é uma prioridade. Se dedico várias horas do meu dia para meus estudos, meus estudos são uma prioridade. Da mesma forma, se não me dedico uma hora da semana sequer a fazer exercícios físicos – o cuidado com meu corpo não é uma prioridade alguma.

 

Pensar desta forma faz muito sentido para mim. Analisar meus hábitos e minha rotina permite que eu perceba quais são minhas prioridades atuais e oportuniza a seguinte reflexão: estas são as prioridades que quero no momento? Há algo que eu possa alterar na minha rotina para alinhar o meu dia-a-dia com o que é de fato importante para mim?

 

Por exemplo, se eu treino determinado esporte durante 4 horas de segunda à sexta – esta é uma prioridade para mim. O dia tem 24 horas, das quais 7, em média, usamos para dormir. Isso significa que utilizo quase 25% do tempo que estou acordada para esta atividade. Se eu não pretendo ser atleta – faz sentido dedicar tanto tempo ao esporte?

 

Quando baixei o app “Quality Time” e descobri que passava, em média, 4 horas por dia no celular. Eu me achava uma pessoa produtiva, mas percebi que o celular era um grande “ralo” que sugava meu tempo. Este aplicativo mostra também quanto tempo passamos em cada aplicativo, e o grande “ralo” do meu tempo era o instagram. Isto porque eu não tenho Facebook porque, se tivesse, provavelmente os dois estariam empatados.

 

Como isso mudou minha vida?

 

Bem, inicialmente, percebi que passava tempo demais me importando com a vida das outras pessoas. Não que eu realmente me importe – mas, se eu dedicava 4 horas por dia para essa atividade, esta era claramente uma prioridade na minha vida. A conclusão óbvia para mim foi: eu não quero ser essa pessoa. Eu não queria que “passar tempo nas redes sociais” fosse uma prioridade. E eu não achei que fosse – por isso tamanho susto!

 

O que eu fiz?

 

No primeiro momento, deletei o aplicativo do instagram. Depois, utilizei este tempo para algo que considero realmente relevante (e me faz muito mais feliz!): recuperar meu hábito de leitura. Hoje, utilizo o instagram para divulgar o blog. No entanto, ainda preciso amadurecer muito para não priorizar a rede social na minha vida.

 

Sugiro que você faça esta experiência. Muitas vezes, pensamos que não temos tempo para mais nada. A nossa vida é corrida mesmo, eu sei. Mas perceba quais são os seus “ralos” de tempo.

 

De forma alguma eu estou dizendo que você deve parar de usar redes sociais, deletar aplicativos ou cortar de vez o uso do celular na sua vida. Não é isso! Até porque, se sua prioridade é atingir um número “x” de seguidores no instagram, passar tempo na rede social é super relevante para você! Sobre o uso do celular: é inegável que ele adianta (e muito!) a nossa vida – quando o utilizamos de forma coerente.

 

Sugiro apenas que você dedique mais tempo a atividades que façam sentido para você.

 

A minha proposta hoje é: pratique o autoconhecimento para reconhecer se suas prioridades  estão de acordo com quem você quer ser. E como você descobre suas prioridades atuais? Percebendo para onde vai o seu tempo. E como definir prioridades que façam sentido? Bem, isso é assunto para outro post.

 

Se quiser compartilhar sua experiência com o uso do celular ou contar sobre os seus “ralos” de tempo, escreve um comentário aqui embaixo. Vou ficar contente de saber! 🙂

 

Até breve!

Sobre prioridades e o uso do celular

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *