porque eu desativei o instagram (de novo)

porque eu desativei o instagram (de novo)
https://chakichaki.net/

no início do ano, postei esse texto aqui para deixar registrado os motivos pelos quais havia desativado o instagram. no começo da pandemia, reativei a conta e, agora, a desativei novamente.

revisitei esse texto e, para minha surpresa, os motivos são outros! então, decidi escrever mais um texto para deixar registrado o que está se passando agora. já adianto que o texto é de cunho pessoal, mas falo antes do lugar da produção de conteúdo para depois trazer o meu ponto como usuária.

as discussões rasas sobre o tal do algoritmo

as discussões acerca dos algoritmos das redes sociais, nas próprias redes sociais, se limitavam a sua relação individual com esses algoritmos. pelo menos, essas eram as publicações as quais eu tinha acesso. e era mais ou menos no sentido do *não se importe com os números* ou *priorize sua saúde mental e não os números* ou *é mais importante ter consistência na frequência das postagens do que tentar trabalhar de acordo com o algoritmo*.

em primeiro lugar, não é simples *parar de se importar com os números*. se uma pessoa está no instagram para divulgar seu trabalho e, em essência, vendê-lo… é tudo sobre números, sim. por mais que você diga que é mais importante o engajamento, a sua conexão com seu público ou qualquer outra coisa, no fim das contas, é tudo sobre números – porque você precisa ganhar dinheiro.

então, se você precisa ganhar dinheiro com a plataforma, você precisa necessariamente trabalhar conforme o algoritmo. e isso significa criar conteúdo de forma insana (e nem sempre com qualidade! vamos falar disso mais pra frente) e ficar ligada nos números. são pouquíssimas pessoas, no sistema capitalista neoliberal fascista atual, que podem priorizar a saúde mental em vez do trabalho. então, provavelmente, as pessoas que estão lendo essa postagem rasa no próprio instagram não podem fazer o que a postagem sugere. e mais: esse post culpabiliza essa pessoa por não priorizar sua saúde mental, quando, na verdade, ela não tem nem direito a sua saúde mental – imagine colocá-la como prioridade! belo setembro amarelo, hein?

o que significa trabalhar de acordo com o algoritmo

falei ali em cima que algumas pessoas dizem: ei, não trabalhe de acordo com o algoritmo, vá no seu ritmo. e disse que nem todos tem essa opção. mas, o que significa, afinal, trabalhar de acordo com o algoritmo?

para as redes sociais, as sua postagens tem uma única função: manter os usuários na tela. quanto mais o usuário interage com a sua postagem, mais postagens suas vão aparecer no feed desse usuário. assim, esse usuário tem mais chance de passar mais tempo na rede. quanto mais tempo esse usuário fica na rede, mais dados ele oferece para a plataforma. quanto mais dados tem a plataforma, melhor ela pode manipulá-los – para oferecer aos usuários mais postagens para que eles passem mais tempo ainda por ali. os dados são usados, ainda, para vender anúncios. e, quanto mais tempo você passa na rede, mais anúncios mais direcionados você vê.

trabalhar de acordo com o algoritmo significa manter as pessoas mais tempo na rede. para que mais anúncios sejam vendidos. é assim que a empresa funciona. é seu modelo de negócios.

você precisa trabalhar de acordo com o algoritmo para que mais pessoas acessem o seu conteúdo e interajam com ele. quanto mais as pessoas conhecerem o seu trabalho, mais chance você tem de vender o seu produto ou serviço! e, por isso, muita gente não tem escolha, mesmo. mas, bora lá: conteúdo que mantém as pessoas na tela não significa conteúdo de qualidade.

sabe como isso me afeta? eu vejo um tanto de conta com conteúdos muito ruins e um número altíssimo de seguidores e compartilhamentos etc. e quando eu digo conteúdo ruim, falo tanto de conteúdo de produtividade tóxica, à la coach picareta, ou conteúdo incorreto sobre organização e planejamento de contas hypadas e bonitinhas na minha bolha – dessas que falam de um jeito super raso e tão irresponsável quanto as do tipo anterior.

e, por último mas não menos importante: eu realmente quero que as pessoas passem mais tempo nessa rede? não. por isso, não trabalhar para o algoritmo significa não trabalhar para ele – at all!

a tal da saúde mental dos usuários

eu sei que provavelmente o instagram não te faz bem. ele também não me faz bem nenhum. e eu não sei o quanto é possível tentar uma relação saudável com ele. expliquei um pouco sobre como criadores de conteúdo (eu inclusa!) tem a saúde mental afetada pela rede. mas e os usuários comuns? e como isso me afetava enquanto usuária?

nesse sentido, tudo que eu disse no texto anterior, linkado lá no comecinho, procede. mas quero acrescentar algo novo: a pandemia.

que foda ver tanta gente postando foto na praia, na pizzaria, na cachoeira, na trilha, no churrasco com os amigos. eu me sinto uma completa idiota por estar fazendo o que posso em termos de isolamento. esse assunto rende e posso, em algum momento, escrever um texto abrindo esse pop-up da nossa necessidade de postar para existir nesses tempos que vivemos.

acho que o mais importante, para mim, nesse ponto, é questionar: existe saúde mental possível no instagram? para mim, acho que não – nem como usuária, nem como criadora de conteúdo. porque o conteúdo super honesto que eu quero criar não engaja – e talvez nem seja tão honesto, porque eu não quero que você passe mais tempo no instagram e porque eu também não quero passar mais tempo lá. porque o conteúdo que me venderia é justamente o tipo de conteúdo que me dá gatilhos. então, tchau.

a veia anarquista que bate forte por aqui

você não me pagava para receber meu conteúdo. e eu também não recebia para criá-lo: nem de você, nem de ninguém. mas tem muito dinheiro rolando – ele só não chega pra gente.

utilizar o instagram como usuária ou criadora de conteúdo dá no mesmo no sentido de fazer a empresa crescer. e eu não quero que essa empresa cresça. o lado bom das redes não é maior, na minha opinião, que o lado ruim – que é realmente péssimo.


tudo isso já estava por aqui em mim. ter passado super mal de estômago, como relatei aqui, fez essa ficha do instagram cair pra mim. precisava sair de lá, evacuar. e assistir o documentário o dilema das redes, na netflix, só confirmou que eu precisava mesmo sair de lá. e, se pudesse, sairia do whatsapp também. e agir conforme o que eu acredito me faz muito bem.

acho que dessa vez é de vez. mas, nunca se sabe, né? se eu voltar, vocês saberão. se não, deve ter texto sobre isso por aqui também eventualmente, porque é algo que impacta (e muito!) a rotina.

1 Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *